Car@s amig@s

A partir de novembro de 2016, os textos e as Fichas de Estudo do Ambiente Virtual de Formação serão publicados apenas no novo site da Arquidiocese de Campinas,

Clique aqui para acessar o site, depois role a barra até encontrar o banner do AVF" A coordenação do AVF.

Ficha 7: Música e Arte Sacras – SC (5ª)

| 26/10/2011 | 2 Comentários

Esta Ficha é dedicada à Música e às Artes Sacras, respectivamente os capítulos VI e VII da SC que recuperou a importância da expressão sensorial na vida dos cristãos. O primeiro aborda sobre o valor da música na comunidade cristã, e o segundo sobre as formas de expressão artísticas na Igreja.  O objetivo de ambos foi valorizar e ressaltar a importância delas nas Celebrações Litúrgicas com a finalidade de ajudar os fiéis a se aproximarem de Deus através da beleza artística.

“Depois de terem cantado salmos, foram para o monte das Oliveiras”. (Lc 14,26).

 A Música Sacra

Na comunicação do humano com o divino, a música sempre esteve presente com a finalidade de glorificar a Deus e santificar os fiéis. A Música Sacra, patrimônio da Igreja, se constituiu parte integrante da Liturgia, e será tanto mais santa quanto mais intimamente estiver unida à Ação Litúrgica, como expressão da oração, como fator de comunhão e elemento de maior solenidade (SC 112). O canto na Liturgia não é algo decorativo ou secundário para ocupar os fiéis durante a celebração do Mistério Pascal, mas parte integrante do culto público da Igreja (1). Sabe-se que ele, além de possuir uma força de expressão muito mais forte do que a fala, cria comunidade, liga pessoas entre si, e é a expressão mais natural, mediante a qual uma concentração numerosa de gente pode manifestar-se. Ele sabe expressar o indizível! (2)

Os primeiros cristãos se expressaram através do cantochão, música essencialmente vocal e transmitida oralmente. Com o tempo, surgiu a necessidade de uma unificação desses cantos para que fossem reconhecidos por todos e mais facilmente praticados. Esse trabalho foi realizado pelo Papa São Gregório I, o Magno (590-604), depois continuado pelos outros também papas Gregórios II e III até o ano de 741, motivo pelo qual foi nomeado ‘Canto Gregoriano’ conhecido e cantado até hoje. A tendência musical foi se desenvolvendo em partes ou vozes diferentes, acompanhadas de instrumentos, se tornando mais elaborada e não mais praticada pelo povo nas assembleias, pois eram necessários coros e músicos muito bem preparados. Porém, a Música Sacra que   sempre atraiu compositores e se fez representar na História, se distanciou da participação ativa do povo nas funções litúrgicas. Durante a Idade Média até o século XIX houve certo declínio musical devido a influencia da música profana na vida eclesial. Somente no século XX, o papa São Pio X promoveu a renovação do Canto Gregoriano com a criação de uma escola musical com a finalidade de reavivar a vida pastoral. Depois disso, somente no Concílio Vaticano II se retomou  a questão do canto.

 A SC estabelece que a Liturgia torna-se mais nobre quando celebrada de modo solene com canto (SC 113) e, segundo a Instrução Musicam Sacram, sobre Música na Liturgia (1967), o canto, especificamente a Música Sacra, é de grande importância, uma vez que mais claramente demonstra o aspecto “eclesial” da celebração, e também é muito eficaz na promoção da devoção dos fiéis nas Celebrações da Palavra de Deus, e na devoção popular.

A grande novidade do Concílio Vaticano II, no que diz respeito à música na SC, é a proposta de poder ser cantada na língua pátria, o que favorece a participação ativa da assembleia. Novas ações são recomendadas, incluindo desde uma boa formação musical nos Seminários, Instituições Religiosas e Escolas Católicas, até o incentivo à fundação dos Institutos Superiores de Música Sacra, para que os compositores, os cantores e também as crianças recebam uma verdadeira educação litúrgica (SC 115). O Canto Gregoriano tem o primeiro lugar como canto oficial próprio da Liturgia Romana, porém, todos os outros gêneros também são aceitos (SC 116). Adaptando-se às diferentes culturas, a Igreja não quer impor, porém, aceita na Liturgia tudo o que se harmonizar ao seu verdadeiro espírito e não estiver ligado a superstições (SC 37).

Na América Latina e, em particular no Brasil, a música popular encontra um grande campo de manifestação na Liturgia. Entretanto, essa manifestação deve ser entendida não pela transcrição pura e simples de melodias já existentes cantadas com outros textos, mas com características que marcam e deixam as frases musicais mais fáceis de serem cantadas por todos.

A SC estimula os cantos populares religiosos nos exercícios piedosos e sagrados (SC 118); motiva os compositores  na criação de músicas que possam ser cantadas pelas assembleias, com base nos textos da Sagrada Escritura e nas fontes litúrgicas (SC 121); pede aos instrumentistas que  procurem manter com dignidade a edificação dos fiéis, respeitando a tradição musical dos diversos povos, e culturas no caso das Missões (SC 119); e pede também que se considere o órgão de tubo e que seja usado como instrumento tradicional, que dá às celebrações um esplendor extraordinário, promovendo o espírito para Deus (SC 120) (3).

Em 1963, foi criado no Brasil o Secretariado Nacional de Liturgia, que desenvolveu a Comissão Nacional de Música Sacra, hoje Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia, ligada à CNBB. Esta comissão tem realizado encontros nacionais e regionais de músicos, musicólogos e liturgistas, tendo em vista o estudo, a criação e o incentivo de uma música litúrgica brasileira. Destes encontros surgiu um grande repertório de músicas litúrgicas. Em 1989, a Assembleia Geral da CNBB através do Documento 43 – Animação da Vida Litúrgica no Brasil, recomenda que se dê “grande valor” ao canto e à música, e aponta ser fundamental que a assembleia se expresse a seu modo, e até componha seus próprios cantos (Doc 43, 208). Além disso, destaca que devem ser incentivadas as participações cantadas em partes da missa como os Salmos; a Oração Eucarística, ao menos o Prefácio; as Leituras ou a sua Conclusão; e as Aclamações devem ter mais incentivo e ser mais variadas com cantos, palmas ou vivas (Doc 43, 209). Também são consideradas fontes de expressão na Liturgia, os gestos, as posturas, as caminhadas e a dança (Doc 43, 83). Com uma visão prática, o Documento 43 ressalta a importância de se situar a Celebração no tempo e na vida da comunidade; de aprofundar as Leituras; de praticar exercícios de criatividade e formar equipes que elaborem roteiros para as Celebrações, que incluam cantos e outras manifestações artísticas.

Desde 1992, o Curso Ecumênico de Formação e Atualização Litúrgico Musical (CELMU) procura ajudar na preparação adequada de compositores (as), letristas, animadores(as) de canto, regentes e instrumentistas engajados na Pastoral Litúrgico musical. Também a Campanha da Fraternidade, desde 1964, tem organizado, anualmente, concursos que possibilitam a criação de textos e melodias sobre determinado aspecto social da realidade brasileira, e que são cantados durante todo o período da Quaresma na maioria das comunidades brasileiras.

Deste crescente movimento surgiram, a partir de 1985, os quatro volumes do Hinário Litúrgico da CNBB (Tempo do Advento e Natal; Tempo da Quaresma, Semana Santa, Páscoa e Pentecostes; Tempo Comum e Santoral), como primeira sistematização de toda a produção musical no Brasil desde o Concílio.

Há, ainda que se destacar, que houve uma popularização no uso dos instrumentos, como violões, violas, flautas, instrumentos de percussão e outros que contribuíram para a inculturação da liturgia, animando e facilitando a participação do povo nos cantos.

Na Arquidiocese de Campinas, foi criado o CEMULC (Curso de Extensão em Música Litúrgica da Arquidiocese de  Campinas) cujo objetivo principal é preparar os agentes de pastoral para que possam, em suas paróquias e comunidades, desempenhar o seu ministério em conformidade com os princípios teológicos, litúrgicos, pastorais, musicais e estéticos que justificam a Música Litúrgica.

Artes Sacras e as Sagradas Alfaias

As Artes Sacras ou Artes Religiosas são manifestações artísticas, objetos que são usados na Igreja para as Celebrações Litúrgicas ou para a catequese. Elas tendem a exprimir, pelas mãos do artista, a infinita beleza de Deus, contribuindo e conduzindo o espírito do homem até Ele (SC 122). As artes trazem uma concepção teológica que tem como finalidade propiciar ao povo cristão a experiência da leveza e beleza espiritual que se manifesta como louvor a Deus. Os objetos artísticos religiosos ajudam o povo a contemplar o mistério na medida em que fazem interiorizar e sentir o religioso manifestando-se em suas vidas. A SC cuidou para que também a Arte Litúrgica, seguisse a orientação cristocêntrica do Concílio, isto é, buscou destacar que tudo deve estar em função do Cristo. A Igreja não possui um estilo próprio de arte sacra ou religiosa, mas aceitou e aceita todas, de todas as épocas, e defende que seja também cultivada a Arte do tempo presente, de todos os povos e regiões. E, toda arte que serve de instrumento, de sinal e de símbolo do sobrenatural é amada pela Igreja, que deve ter o zelo na sua escolha, optando por obras que estão de acordo com a fé, a piedade e as orientações da tradição para serem objetos dignos, decorosos e belos ao culto. (SC123). Tanto a Introdução do Missal Romano como dos Rituais Sacramentais trazem, em si, estas orientações.

Os artistas conseguem traduzir em suas obras os sentimentos e a alma do povo, por isso, a Igreja tem necessidade de novos artistas para que surjam novas manifestações de fé através da arte. No Brasil, a Arte Religiosa pode ser constatada nas construções das Igrejas, na beleza das imagens, na dança e na pintura. Atualmente, muitas Igrejas recorrem à pintura de murais em seus interiores. Especialmente as CEB’s, com os seus famosos painéis produzidos pelos Encontros Inter Eclesiais, fizeram surgir uma arte iconográfica própria, que enaltece a dimensão comunitária da fé.

Nesta perspectiva confirmam-se, na prática, as palavras que o Papa Paulo VI dirigiu aos artistas na conclusão do Concílio: Hoje como ontem, a Igreja tem necessidade de vós e volta-se para vós. E diz-vos pela nossa voz: não permitais que se rompa uma aliança, entre todas, fecunda (Paulo VI “Aos Artistas”, 1963).

Um outro tipo de arte utilizada nas Celebrações Litúrgicas são as Alfaias, ou seja, os objetos que estão a serviço da Liturgia – mais propriamente, todos os vasos sagrados e paramentos litúrgicos utilizados pelos ministros ordenados. São eles:

Cálice: é o Vaso Sagrado por excelência e está reservado para consagração do Vinho.

Patena: é um pequeno prato, de material nobre na sua parte côncava, usado para colocar a hóstia grande que será consagrada, e também para recolher os fragmentos das partículas que caíram no corporal, sobre o altar depois da comunhão.

Pala: é utilizada para cobrir o cálice durante a Santa Missa.

Corporal: Corporale = corpo, é um tecido branco quadrado que é aberto sobre o Altar e sobre ele são colocados o Cálice e a Patena.

Sanguíneo: é um tecido usado para enxugar os lábios e os dedos do Sacerdote e, também, o Cálice depois da Comunhão.

Âmbula: é o vaso utilizado para colocar as hóstias que serão consagradas durante a Missa e distribuídas aos fiéis na comunhão.

Lavabo: é formado por uma jarra e uma bacia, utilizados para o Sacerdote lavar as mãos depois das oferendas.

Manustérgio: toalha utilizada para enxugar as mãos do Sacerdote.

Galhetas: levam o vinho e a água que são utilizados na Celebração Eucarística.

Túnica: Vestimenta do Sacerdote

Estola: que representa a autoridade do Sacerdote como o Ipse Christus, o Mesmo Cristo.

Casula: Capa usada por cima da Túnica e da Estola, usada comumente nas celebrações em dias de Festas e Solenidades.

A SC determina aos Bispos que tenham cuidado em retirar da casa de Deus, e de outros lugares sagrados, as obras de artes que não sejam condizentes com a fé, os costumes e a piedade cristã. Que a construção dos Edifícios Sagrados estejam preparados para realizar as ações Litúrgicas com a participação ativa dos fiéis. Que tanto a Arte Sacra quanto as Alfaias Litúrgicas, sejam preferidas as mais simples e nobres, não necessitando ser suntuosas (SC 124). E, que as imagens nas Igrejas estejam dispostas, em número comedido e nas devidas ordens, para a veneração dos fiéis (SC 125).

Recomenda também aos Bispos, a formação dos artistas e a criação de Escolas ou Academias de Arte Sacra onde parecer oportuno; e a vigilância no que diz respeito à construção funcional e digna dos edifícios sagrados e dos altares, a nobreza, a disposição e a segurança dos Sacrários, a dignidade do Batistério, a decoração e os ornamentos, para que estejam de acordo com a reforma da Liturgia (SC 127, 128).


(1) Apresentação do Hinário Litúrgico – CNBB – 1º Fascículo – escrita por Dom Geraldo Majella Agnelo – Paulus Editora

(2) Função Ministerial da Música na Celebração Litúrgica – Hinário Litúrgico – 3º Fascículo – Edições Paulinas

(3) Vale a recomendação, porém sabemos da enorme dificuldade de se poder contar com orgãos de tubo no Brasil.

Referências bibliográficas

Documento 43. Itaici: CNBB, 1989.

Fonseca, Joaquim, OFM. Cantando a missa e o Oficio Divino. São Paulo: Paulus, 2005.

Fonseca, Joaquim, OFM. Quem canta? O que cantar na Liturgia?São Paulo: Paulus, 2009.

Molinari, Paula (org.) Música brasileira na Liturgia (I e II). São Paulo: Paulus, 2009.

PAULO VI. Carta aos artistasRoma, 1963.

Sacrosanctum ConciliumRoma, 1963.

 Referências eletrônicas

A Música Litúrgica no Brasil , Estudos  79 CNBB,  2005

Símbolos Litúrgicos

Importância e Função do canto e da Música na Liturgia Rede Celebra Ficha 19:

O canto e a música no tempo do  Ano Litúrgico Rede Celebra – Ficha 20

Para partilhar:

  1. Na sua comunidade existe uma equipe que trabalha na escolha e nos ensaios dos cantos para, conforme a SC, “serem tanto mais santos quanto intimamente unidos à ação litúrgica”? E, que efeito a música, tocada e cantada na sua comunidade, provoca na sua oração durante as Celebrações Litúrgicas?
  2. Durante as funções, a assembleia tem participação ativa na parte musical? Quais são as diversas expressões usadas na sua comunidade nos diversos Tempos Litúrgicos?
  3. O que esta Ficha trouxe de novo para o seu conhecimento? E o que mais despertou o seu interesse, ou respondeu aos seus anseios no que diz respeito às Artes e Alfaias Litúrgicas?
[download_box]Arquivo PDF – Se desejar “baixar” o texto, clique em: download[/download_box]
Orientações para a interação:

a) Você poderá  discutir este texto, presencialmente,  com seus amigos na comunidade.

b) Você poderá enviar sua opinião usando a caixa de comentários abaixo, bem como interagir com outras comentários.

c) Você poderá interagir com as pessoas que nos seguem no Facebook.  Se desejar acessar  a  página do A.V.F, clique em http://www.facebook.com/board.php?uid=156771561021844

d) Por fim, você poderá interagir na sala de aula virtual   “Ambiente Virtual de Formação” da Arquidiocese. Acesse [aqui] e siga as orientações.

Aguarde a publicação da próxima ficha: 09 de Novembro: Introdução e O Mistério da Igreja (BLOCO 03 – Tema: Lumem Gentium)

Registre seu comentário

Comentários (2)

Trackback URL | Comentários RSS Feed

Sites That Link to this Post

  1. Música Sacra e Arte Sacra | Laboratório da fé | 24/11/2014
  1. Maria Lúcia Pascoal disse:

    É muito bom falarmos de música aqui. A ficha anterior já tratava da música no Oficio Divino, mas esta sobre Música e Artes Sacras é específica. A música sacra faz parte da vida das comunidades cristãs, desde os primeiros séculos, sempre esteve viva e presente, tornou-se parte da sua própria História como Arte. É verdade que enquanto se desenvolveu como Arte, se distanciou da função litúrgica e só o CVII veio resgatar essa atividade. A assembléia passou então, de ‘ouvinte’ a ‘participante’ e nesse ponto, foi preciso criar novos repertórios, instrumentos foram incorporados, tudo à procura de um estilo próprio. É um longo caminho, que envolve a todos. Na comunidade que freqüento, é bonito ver como o povo participa cantando! Cantar é uma prática, no começo, às vezes é difícil acertar o tom, mas é preciso insistir, é mais um aprendizado que precisamos cultivar, uma bela forma de oração! Hoje se faz necessário sempre preparar o que se vai cantar, em geral, os músicos que tocam instrumentos dirigem as ações e as peças são sempre de acordo com o Ano Litúrgico e os textos bíblicos.
    Gostaria ainda de lembrar o quanto as Artes Plásticas formaram nosso imaginário religioso, através das pinturas e das esculturas. Isso também vem desde os primeiros tempos do cristianismo, para ensinar ao povo passagens bíblicas, pois as imagens são muito mais fortes do que as palavras.
    O que esta ficha informa sobre as Sagradas Alfaias, acrescenta ao nosso conhecimento e também é mais uma forma de Arte, que também pode ser admirada através os tempos.

Registre seu comentário