Car@s amig@s

A partir de novembro de 2016, os textos e as Fichas de Estudo do Ambiente Virtual de Formação serão publicados apenas no novo site da Arquidiocese de Campinas,

Clique aqui para acessar o site, depois role a barra até encontrar o banner do AVF" A coordenação do AVF.

Ficha17: A Sagrada Escritura na Vida da Igreja – DV (5ª)

| 28/03/2012 | 0 Comentário

 

Constituição Dogmática DEI VERBUM

Sobre a Revelação Divina

 

Esta décima sétima ficha e quinta da DV se refere ao último capítulo deste importante documento conciliar. Na dinâmica de abertura do Concílio, este capítulo  destaca o quanto a Sagrada Escritura é importante na vida da Igreja e que ela sempre foi venerada, assim como o próprio Corpo do Senhor, pois ambos alimentam e dirigem toda a vida cristã.  Em razão disso, a Bíblia não só é alimento, mas, principalmente, regra para a Igreja (CIC 141) (DV21). Conscientes deste grande tesouro e atentos aos sinais dos tempos, os padres conciliares insistem que o acesso à Sagrada Escritura seja amplamente aberto aos fiéis (CIC 131) e em razão disso recordam a importância dos estudos bíblicos como fundamento perene da Teologia e de toda  pregação litúrgica e espiritual, e do contato  com  a Palavra  de Deus  (leitura orante da bíblia) como exigência para todos os cristãos, principalmente aqueles que têm o múnus de ensiná-la.

Como já vimos nas fichas anteriores, A Dei Verbum representou a abertura pastoral para o uso e leitura da Sagrada Escritura pelo povo, até então limitado pela prática eclesial. Antes mesmo da Reforma Protestante, sec. XVI, já havia restrições parciais e locais para a publicação e a leitura da Bíblia, seja em latim ou em vernáculo. Com a Reforma Católica, conhecida como Contra-Reforma, realizada pelo Concílio de Trento (1545 a 1563), essas restrições parciais se tornaram universais. Em 1559, sob Paulo IV, e depois, em 1564, sob Pio IV, a Congregação do Índice promulga o Index Librorum Prohibitorum e veda também que, sem uma licença especial, se pudesse imprimir e possuir Bíblias em vernáculo. Não se tratou de uma proibição absoluta do contato individual com a Escritura, mas restringiu-se o uso da Bíblia só para quem sabia latim. Somente em 1757 foi novamente autorizada a edição da Bíblia em vernáculo.

Após a promulgação das Encíclicas Providentissimus Deus, de Leão VIII (1893); Spiritus Paraclitus, de Bento XV (1914); e Divino Afflante Spiritu, de Pio XII (1943); e o Código de Direito Canônico, de 1917, um novo impulso é dado aos estudos bíblicos, à leitura cotidiana e à divulgação da Escritura, que ficou conhecido como Movimento Bíblico. Como já vimos nas fichas anteriores, quando se iniciou o Vaticano II, muitos Bispos defendiam uma reforma nas orientações eclesiais sobre o uso da Bíblia. No entanto, prevalecia o ambiente de cautela, e ainda durante a redação da DV houve vozes que pediam que o documento exprimisse reservas quanto ao livre acesso dos leigos à Bíblia, devido à preocupação do perigo de uma interpretação equivocada que pudesse levar a erros doutrinais [1].

Na promulgação do documento, os Bispos conciliares, inspirados pelo Espírito Santo, recordam que a Igreja fez sua a antiquíssima tradução do Primeiro Testamento, do hebraico para o koiné (grego helênico e/ou popular), chamada de  Versão dos Setenta ou Septuaginta [2], realizada entre os séculos  III e I a.C; que guardam grande consideração  pela Vulgata [3], mas lembram que a dinamicidade do mundo moderno exige que haja traduções para as diversas línguas, que devem ser sempre feitas com zelo e atenção, de preferência a partir dos textos originais (DV 22).

O documento lembra que a Igreja conta com a colaboração dos exegetas católicos e com demais teólogos para a investigação e explicação da Sagrada Escritura. Assim, sob o cuidado do Magistério, a Igreja cuida para que um maior número de ministros da Palavra possa oferecer, ao povo de Deus, o alimento advindo das Escrituras, iluminando as inteligências, fortalecendo as vontades e inflamando os corações dos homens no amor a Deus (DV23). O Concílio insiste que a Teologia tem seu fundamento na Palavra de Deus e nela encontra firmeza, se atualiza e investiga, à luz da fé, toda a verdade do mistério de Cristo (DV24).

A DV, além de promover o acesso, recomenda o contato íntimo, o estudo e a leitura assídua da Sagrada Escritura aos padres, principalmente, para a pregação das homilias; aos diáconos e catequistas encarregados do ministério da Palavra, da pregação pastoral e da instrução cristã, pois, segundo São Jerônimo, o “desconhecimento das Escrituras é o desconhecimento de Jesus Cristo”, para que comuniquem, com fidelidade e amor, as riquezas da Palavra Divina. O Concílio exorta os fiéis a aprenderem a ciência de Jesus Cristo com a leitura frequente da Palavra de Deus, de modo particular o Segundo Testamento e sobretudo os Evangelhos; façam cursos, participem de estudos bíblicos e pratiquem a leitura espiritual e oração sempre acompanhados da Sagrada Escritura, pois, segundo Santo Ambrósio “falamos com Deus quando rezamos e a Ele ouvimos quando lemos os divinos oráculos” (DV25).

Ao final desta Constituição Dogmática, os padres conciliares concluem “que seja difundida a Palavra de Deus e acolhida com honra” (2Ts 3,1) por meio da leitura e dos estudos dos Livros Sagrados, a fim de que os corações dos homens encham-se do tesouro da Revelação confiado à Igreja. E, confiantes esperam um novo impulso espiritual e aumento da veneração pela Palavra de Deus “que permanece para sempre” (Is 40,8; cf IPd 1,23-25) (DV 26).

No ano de 2008 realizou-se, no Vaticano, a  XII Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, com o tema ‘A Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja’, que foi uma confirmação da DV. Deste Sínodo, o papa Bento XVI escreveu a Exortação Apostólica Verbum Domini que está divida em três partes. A primeira denominada Verbum Dei, “A revelação de Deus que Se dá a conhecer no diálogo com as criaturas” ( 6-49); a segunda parte é Verbum in Ecclesia, “A Palavra de Deus e a Igreja” , relação entre Cristo, Palavra do Pai, e a Igreja (50-89); e a última parte denominada Verbum Mundo, que trata da “A Missão da Igreja” (90-120) que brota da palavra de Deus.

Ao tomar contato com este capítulo, se percebe o grande incentivo que a Igreja deu  ao que hoje chamamos de Pastoral Bíblica. Nestes cinquenta anos, graças a este importante documento, a Sagrada Escritura tornou-se algo muito presente na vida de muitas pessoas. O estudo da Bíblia é o tema mais requisitado pelos agentes de pastoral e, cada vez mais, se multiplicam os grupos de reflexão bíblica nas paróquias e comunidades. Se hoje, na maioria dos encontros se faz a leitura e a meditação da palavra de Deus, isso se deve à DV.

Para concluir a reflexão sobre esta ficha, ouça e medite a música “Tua Palavra” de Zé Vicente,  o grande cantador da CEBs. 

Notas:

[1]  O Impulso bíblico no Concílio: A Bíblia na Igreja depois da Dei Verbum– Pe. Cássio Murilo Dias da Silva

2] Septuaginta: O nome sugere que esta tradução teria sido concluída em 72 dias, por 72 israelitas, interpretes escolhidos por Deus. A Septuaginta foi  usada pelos judeus helenistas e depois pelos cristãos, e continua sendo usada como base para diversas traduções da Bíblia.

[3] Vulgata: A Bíblia traduzida  para o latim, realizada por São Jerônimo, entre fins do século IV e início do século V, a pedido do Papa Dâmaso. Após o Concílio Vaticano II foi criada uma comissão para sua revisão, que foi concluída em 1975, sendo promulgada em 1979, pelo Papa João Paulo II, recebendo o nome de Nova Vulgata.

Gravura: Escuta, Povo de Deus

Referências Bibliográficas

Barbosa de Souza, d. João Bosco, Verbum Domini,  O esperado documento sobre A Palavra de Deus na vida da Igreja

Bento XVI, Exortação Apostólica Verbum Domini

Dias da Silva,  Pe. Cássio Murilo,O Impulso Bíblico no Concílio:  A Bíblia na Igreja depois da DeiVerbum

_________________________,  A Exortação Apostólica Verbum Domini in Observatório Bíblico

Sbardelotto, Moisés, A Palavra de Deus como “acontecimento” e “encontro”. Entrevista de Johan Konings para a Revista I.H.U.

Para refletir:

  1. Segundo esta ficha, por que a Palavra de Deus é o fundamento da Igreja?
  2. Como o estudo da DV contribuiu para a sua formação?
  3. Como a Igreja e os fiéis têm tornado viva a Palavra de Deus?
[download_box]Arquivo PDF – Se desejar “baixar” o texto, clique em: download[/download_box]

Orientações para a interação:

a) Você poderá  discutir este texto, presencialmente,  com seus amigos na comunidade.

b) Você poderá enviar sua opinião usando a ‘caixa’ de comentários abaixo.

d) Por fim, você poderá interagir na sala de aula virtual   “Ambiente Virtual de Formação” da Arquidiocese.  Acesse http://www.avf.org.br/ e siga as orientações.

Aguarde a publicação da próxima ficha: 11 de abril: Uma Igreja atenta às alegrias, angustias e esperança da humanidade (BLOCO 05- Gaudium et spes)

Ao fazer uso deste texto digital, favor citar a fonte!

 

Registre seu comentário

Registre seu comentário